Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Categorias > CDSA realiza solenidade de Colação de Grau do Semestre 2017.1
Início do conteúdo da página
Notícias

CDSA realiza solenidade de Colação de Grau do Semestre 2017.1

  • Publicado: Sexta, 29 de Dezembro de 2017, 16h18
imagem sem descrição.

O Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido da Universidade Federal de Campina Grande realizou na noite da quarta-feira, 27 de dezembro, às 19h, no Ginásio “O Netão”, em Sumé-PB, a solenidade de Colação de Grau das turmas concluintes do período letivo 2017.1 dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo, Superior de Tecnologia em Gestão Pública, Superior de Tecnologia em Agroecologia.

Na ocasião, a Filarmônica Municipal Maestro Antônio Josué de Lima fez uma apresentação em homenagem aos formandos.

Receberam grau em nome dos demais concluintes de seus respectivos cursos, os formandos Nayane Viana Gomes (Agroecologia), Érico Gustavo de Sousa Queiroz (Educação do Campo) e Tuane Soares Pereira (Gestão Pública).

O juramento foi proferido pelos estudantes Thyago Carneiro de Brito (Superior de Tecnologia em Agroecologia), Mariana Carla Leite de Menezes (Educação do Campo) e Ruzyo Lavuzye Santos Souza (Superior de Tecnologia em Gestão Pública).

A personalidade homenageada nessa solenidade foi o deputado federal Luiz Couto, escolhido como Paraninfo das turmas concluintes. Após seu discurso, ele foi agraciado com uma placa em sua homenagem, entregue pelo CDSA.

Comporam a mesa solene o reitor da UFCG, Vicemário Simões; o vice-reitor da UFCG, Camilo Allyson Simões de Farias; o pró-reitor de Ensino da UFCG, Alarcon Agra do Ó; o diretor em exercício do CDSA, Hugo Morais de Alcântara; a coordenadora administrativa da Unidade Acadêmica de Tecnologia do Desenvolvimento, Alecksandra Vieira de Lacerda; o coordenador administrativo da Unidade Acadêmica de Educação do Campo, Faustino Teatino Cavalcante Neto; o representante da coordenação administrativa da Unidade Acadêmica de Gestão Pública, Allan Gustavo Freire da Silva; a coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia, Carina Seixas Maia Dornelas; o coordenador do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo, Isaac Alexandre da Silva; o representante da coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública, Antônio da Silva Campos Júnior; o vice-prefeito do Município de Sumé, José Deocleciano Barbosa.

Discursos

O diretor em exercício

O diretor em exercício, Hugo Morais de Alcântara, iniciou sua fala lembrando o processo que deu origem ao projeto do Campus de Sumé: a Universidade Camponesa, onde até hoje funciona a Escola Agrotécnica e traçou um histórico da luta da população do Cariri para a instalação da UFCG no município de Sumé que culminou com o “Grito do Cariri”.

Também historiou todo o processo de discussão sobre a instalação de fato, do Campus da UFCG na região e sobre os cursos que nele funcionariam. Ainda falou da evolução do CDSA desde o seu início até os dias atuais, enfatizando a criação dos mais recentes cursos de Pós-Graduação na categoria profissional no CDSA – sendo um na área de Ciências Sociais e outro na área de Recursos Hídricos.

“Temos nos transformado aos poucos. Não estamos ainda no patamar onde deveríamos chegar, mas onde foi possível chegar nesse momento”, disse. “Tivemos e temos a contribuição de servidores públicos federais: docentes e técnico-administrativos, organizações governamentais e não governamentais e a prefeitura do município de Sumé. Os agradeço pela facilitação de sonhos que compartilhamos e continuamos lutando a cada dia para que tenhamos a transformação dos discentes que chegaram com os conhecimentos do Ensino Médio e hoje estão se transformando em profissionais das áreas-objeto de cada curso”.

“Estamos hoje formando novos egressos. As mudanças e transformações em nossas vidas acontecem e nem sempre da forma mais tranquila e fácil. Serão caminhos diversos que cada um de vocês irão enfrentar, mas desejo que não desistam de seus sonhos e que continuem sempre perseverantes e lutando, com respeito, pelo que acreditam”, disse Hugo Morais.

“Não esqueçam que as instituições superiores de ensino gratuitas desempenham um papel fundamental para a sociedade brasileira e que todos nós temos a obrigação de lutar por sua manutenção”, finalizou.

O reitor

O reitor Vicemário Simões, lembrou para os formandos e todos os presentes que “a escola transforma as pessoas, a universidade transforma as pessoas, e as pessoas mudam as suas vidas e mudarão a vida das pessoas perto e mudarão o mundo”.

“Gostaria de mostrar como a universidade pode mudar o mundo. A universidade é o norte do conhecimento mas também do contraditório. Formamos opinião e ideias e é preciso que as idéias percorram o mundo. Que possamos fazer a diferença e retornar o conhecimento para a sociedade que nos mantém por meio de taxas, impostos”.

“Quero dizer aos estudantes que não deixem nada para amanhã”, disse o reitor, deixando a seguinte mensagem:

“Se algum dia eu soubesse que nunca mais veria você… Eu lhe daria um abraço mais forte. Se eu soubesse que seria a última vez a ver você… Eu lhe daria um beijo e o chamaria para dar mais um. Se eu soubesse que seria a última vez a ouvir sua voz… Eu gravaria cada movimento e cada palavra, para revê-lo todos os dias.

Se eu soubesse que seria a última vez que eu poderia parar mais uns dois minutos para dizer-lhe: gosto de você … Eu diria, ao invés de deixar que presumisse. Se eu soubesse que seria o último dia a compartilhar com você… O aproveitaria muito mais intensamente em vez de deixá-lo simplesmente passar. Sempre acreditamos que haverá amanhã para corrigir um descuido… Para ter uma segunda chance de acertar. Será que haverá uma chance para dizer: posso fazer alguma coisa por você?

O amanhã não é garantido para ninguém. Seja para jovens ou mais velho, e hoje pode ser a última chance de abraçarmos aqueles que amamos. Então se estamos esperando pelo amanhã, por que não agimos hoje? Assim, se o amanhã nunca chegar não teremos arrependimentos de termos aproveitado um momento para um sorriso, para um abraço, para um beijo, uma gentileza, porque estávamos muito ocupados para dar a alguém o que poderia ser o último desejo. Abracemos hoje aqueles que amamos, sussurremos em seus ouvidos, dizendo-lhes o quanto nos são caros e que sempre os amamos.

Encontremos tempo pra dizer: desculpe, obrigada, eu perdôo você! Sempre há tempo para amarmos. E se não houver amanhã, também não haverá remorsos de hoje para carregarmos. Pense nisso agora”.

“Aos pais, amigos e familiares desejo um ano novo onde sejam apresentados cenários melhores e que possamos fazer da política a política que desejamos”, finalizou citando uma frase de Mahatma Ghandi que diz: “Sejamos nós a mudança que nós queremos ver no mundo”. “Aos profissionais que seguirem novos caminhos pela pós-graduação, quem sabe um dia estejam conosco no exercício da docência”. “Que tenhamos dias melhores para oferecer para a nossa sociedade uma educação de qualidade pois esse é nosso compromisso social”.

O orador

O orador das turmas concluintes foi o formando Rafael Barros. Ele iniciou sua fala destacando: “Há quatro anos iniciamos uma etapa muito importante de nossas vidas, modificadas constantemente desde o primeiro momento em que soubemos de nossas aprovações no concurso vestibular”

Seguindo seu discurso: “Aos poucos, o CDSA deixou de ser apenas urna instituição de ensino composta de tijolos, cimento ou qualquer outro material, tornando-se nossa segunda casa, pintada de alegrias através da descoberta do saber e com os laços afetivos que se criavam paulatinamente, com professores, colegas de classe, funcionários ou com qualquer outra pessoa que nos demonstrava respeito, carinho e afeto, compreendendo que essas são bases para que as lutas fossem menos árduas. Esta casa chamada CDSA foi alicerçada na construção de muitos debates, embates, ideias e muitos conhecimentos acadêmicos paulatinamente produzidos, que serão lembrados por toda vida, com validade infinita, rompendo com os muros ou qualquer vinculo institucional que deixamos de ao nos tornamos egressos”.

“Acredito que o CDSA é uno e que cada um de nós tem sua importância e potencialidade adquirida, favorecendo assim um futuro profissional brilhante, prezando sempre pelo respeito, pela verdade, pela ética e pela dedicação demonstrada na graduação. Aos que continuam como docentes, discentes, técnicos de laboratório e demais servidores, gostaria de pedir que reafirmem seus compromissos com a educação superior de qualidade, e em especial, aos alunos e alunas que, por favor, não passem simplesmente pela Universidade, vivenciem cada momento com respeito e dedicação possível. Participem efetivamente do ensino, sejam pesquisadores e curiosos, se tomando uma parte extensiva da Universidade junto à sociedade. Levem as boas práticas que a comunidade civil precisa conhecer. O sentimento de gratidão nos invade e nos permite seguir em frente, sabendo que tudo que foi vivenciado será de grande relevância para todos nós”.

O homenageado

O homenageado, deputado Luiz Albuquerque Couto falou para os concluintes: “Há coisas na vida que não se repetem. São sempre como se fora a primeira vez. Ser paraninfo de uma turma como a de vocês é uma delas. Gostaria de dizer a vocês nessa hora de despedida algumas coisas que talvez possam ajudá-los a viver uma vida boa, uma vida ética, uma vida feliz e uma vida justa. Alguns valores e crenças que cultivo. Não crenças religiosas, que a religião é um espaço da vida privada. Mas uma fé racional, uma atitude diante da vida”.

“O que movimenta todo ser humano é primeiramente a vida e dentro dela há alguns pontos que aqui quero destacar, o amor que impulsionou de alguma forma todos vocês a chegarem ao fim de apenas uma etapa da vida é o maior bem que todos vocês poderão carregar para os próximos desafios”.

“Creio também que qualquer forma de amar vale a pena e todo amor deve ter um nome, seja ele dos seus pais, dos seus amigos ou de pessoas que olharam para você e disseram ‘eu acredito nos seus sonhos’. O que desejo a cada um de vocês é o mesmo que foi imortalizado por Carlos Drummond de Andrade ‘A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional’".

Luiz Couto fez considerações sobre os valores destacando a felicidade, a justiça, o bem, a crença no amor, a tolerância e a força da paz.

Ao final de suas destacou: “Senhores pais, de sangue e de afeto, Senhores e Senhoras professores e professoras: somos nós que estamos no palco, mas esta noite é de vocês. Aqui se celebra o sucesso da educação que deram aos seus filhos. Eles estão criados, bem criados. Daqui eles partirão para conquistar o mundo”.

“Meus queridos alunos e eternos estudantes: não se esqueçam de ser felizes. Lembrem-se que a felicidade tem mais a ver com atitudes do que com circunstâncias. Voem alto, mergulhem fundo, encontrem o próprio caminho. Não tenham medo de tentar, de recomeçar, de insistir. O maior naufrágio é não partir. Com esse espírito, de um grande navegador, eu me despeço de vocês. Vão em paz. Sejam bons, justos, afetuosos e tolerantes. Com gentileza, fé e felicidade. O mundo se atirará a seus pés”, concluiu.

 

(Rosenato Barreto – Assimp CDSA/UFCG)

registrado em:
Fim do conteúdo da página